Sábado, 25 de Maio de 2024
27°

Parcialmente nublado

Teresina, PI

Cidades Jovem quilombola

Jovem do Maranhão se torna a primeira promotora quilombola do Brasil

Recém-empossada como promotora de Justiça do Ministério Público do Pará, a Karoline vive a realização de um sonho que não é só seu e representa orgulho para os familiares.

18/04/2024 às 09h53
Por: Carlos Santos Fonte: Blog do Neto Weba
Compartilhe:
Jovem do Maranhão se torna a primeira promotora quilombola do Brasil

“Que eu seja a primeira de outras que virão e seja um instrumento de transformação social”. A fala emocionada é de Karoline Bezerra Maia, a primeira Promotora de Justiça quilombola do Brasil. Pertencente à comunidade quilombola de Jutaí, localizada no município maranhense de Monção, ela também foi a primeira da família a ingressar e concluir o ensino superior. Agora a jovem inspira mais pessoas na realização de sonhos.

Filha de pais que não frequentaram escola, a jovem é a mais nova de seis filhos. Recém-empossada como promotora de Justiça do Ministério Público do Pará, a Karoline vive a realização de um sonho que não é só seu e representa orgulho para os familiares. Ela afirma que a aprovação no novo emprego é fruto de luta e resistência dos ancestrais.

“Neste momento olho para mim e para a minha história. É pelo meus pais, minhas irmãs, minhas lutas, minhas lágrimas, a minha gente, o meu povo, pela minha biografia. É por meus ancestrais, por todas nós, mulheres pretas”, disse Karoline.

A jovem viveu uma trajetória de persistência e superação. Ingressou na Universidade Federal do Maranhão (UFMA) em 2008 por meio do sistema de cotas para negros e após a formação, iniciou a jornada de concurseira, mas fez uma pausa e retornou os estudos após pandemia. “Foram 8 anos de estudos, renúncias, abdicações, choros, ansiedade, mas no fim deu tudo certo. Tive algumas aprovações fora das vagas. Muitas vezes pensei que fosse impossível me tornar Promotora de Justiça, e aqui estou eu, Promotora”.

Foto; Reprodução

 

Emocionada e ainda comemorando o novo cargo, Karoline utiliza a frase de Viola Davis e afirma que seu desejo é que mais quilombolas tenham visibilidade e conquistem os lugares desejados.

“Quando uma mulher preta se movimenta ela move toda a estrutura da sociedade. ‘Agora, imagine quando se trata de uma mulher preta quilombola e uma transformação social. Muitos de nós quilombolas estamos à margem dos direitos fundamentais, como educação de qualidade. Ser instrumento de visibilidade para nós, que muitas vezes passamos invisíveis, é poder ser porta voz de quem não teve seu lugar de fala”, disse Karoline.

A jovem afirma que quer atuar como ponte de implementação dos direitos fundamentais a quem precisa. “Aos povos quilombolas, tradicionais, indígenas e todas as pessoas que necessitem do Ministério Público. Quero servir a sociedade paraense da melhor forma possível”, informou.

Aos quilombolas que ainda sonham em ocupar espaços que ainda parecem muito distante, indo na contra-mão do racismo estrutural, Karoline dá um recado. ‘Sonhe mas lute com todas as suas forças, não é impossível. Pode ser real sim. Não será fácil, mas que desistir não é opção”, finalizou.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Ele1 - Criar site de notícias