A pedido do MP, Claro deverá inspecionar torres no Piauí

A operadora se comprometeu a enviar um dossiê ao Ministério Público com informações sobre as torres do estado
Por Redação Verdes Campos Sat 5 de Outubro de 2020 às 17:19

Foto: Divulgação/MP-PI Decisão foi tomada durante reunião virtual
Decisão foi tomada durante reunião virtual

Após a queda da torre da Claro, que ocorreu na cidade de Palmeirais/PI, o Ministério Público do Piauí (MP-PI) realizou, nesta segunda-feira (05), uma reunião virtual para tratar dos problemas a serem resolvidos com relação à queda e os serviços prestados pela operadora na região. 

Participaram da reunião, o Coordenador do Programa Estadual de Proteção e Defesa do Consumidor (PROCON), Nivaldo Ribeiro, e o promotor de Justiça de Palmeirais, Afonso Aroldo Feitosa Araújo, e uma das representantes da Claro, Camila Bernardes Sousa,

A queda da torre da torre ocorreu no dia 29 de setembro. Segundo a representante, nenhum dos moradores da região irá ter prejuízos, pois todos os reparos em suas casas e entorno serão feitos pela empresa.

Ainda segundo a representante, não houve nenhum ferido no acidente e que a torre estava regular, dentro de todos os critérios de segurança, sendo o ocorrido causado por um temporal atípico. 

Diante da situação, o Coordenador Geral do Procon, Nivaldo Ribeiro, solicitou que todas as torres do Piauí fossem inspecionadas, a fim de garantir a segurança da população.

A operadora se comprometeu a enviar um dossiê ao Ministério Público com informações sobre as torres do estado, incluindo seus endereços, para que sejam feitas as fiscalizações necessárias.

Com relação ao prejuízo no serviço de telefonia, a Claro informou que medidas já estão sendo tomadas para que o sinal seja plenamente restabelecido. Além disso, informou que parte do serviço já está regularizado, faltando apenas o sinal 2g, cujo restabelecimento deverá ser feito até a data desta segunda-feira (05). Conforme a representante da operadora, a empresa estuda, ainda, como será feita a devolução de valores para consumidores prejudicados pela falta de sinal.

Ao final, o promotor de Justiça Afonso Aroldo solicitou providências para os problemas de sinal do povoado Casteliano, cuja população tem reclamado de má qualidade no serviço da Claro na região, antes mesmo do incidente com a torre. A companhia se comprometeu a avaliar o caso e buscar uma solução. O Ministério Público, por meio do Procon e da Promotoria de Justiça de Palmeirais, continuará acompanhando o caso até que seja totalmente solucionado.

Fonte: com informações do MPPI

Deixe seu comentário